26 novembro 2010

Fio de sangue

Por: Murilo Galdino - Maceió, 26 de Novembro de 2010

A intervenção fio de sangue ocorreu na tarde do dia 26 de outubro de 2010 na Praça Deodoro, no centro de Maceió. As 14 horas chegamos no local , onde juntos, Thiago, Donda e eu, escolhemos um espaço entre dois canteiros da praça, onde havia um poste entre eles, daí começamos a preparar a cena, violência é o tema desta intervenção . Amarramos vários fios de lã vermelha do canteiro ao poste, e pregamos vários recortes de jornais com matérias acerca da violência formando um varal de notícias, em seguida jogamos sangue cênico em cada recorte, com isso os recortes pingavam sangue no chão da praça. A praça se encontrava movimentada, pessoas caminhando e muitas sentadas nos bancos.

Algumas pessoas passavam e ficavam observando e as pessoas que ficaram sentadas próximo a nós acompanharam todo desenvolvimento da intervenção, induzidas na curiosidade de saber, talvez ,como aquilo terminaria. Em seguida derramamos bastante sangue abaixo do varal, formando assim uma grande mancha de sangue. Nosso material foi simples: fios de lã vermelha, pregadores de madeira, recortes de jornais e sangue cênico (mistura de mel, anilina e xarope de groselha).

Adorei fazer esta intervenção. Vemos relatos de vários tipos de violência que ocorreram e ocorrem no estado e são mostrados em boletins e edições diárias de jornais que duram até o final do dia e depois são esquecidas, só não esquecidas nas vítimas e pessoas envolvidas nos acontecimentos. O varal será muito impactante para as pessoas que passarem e verem. Instigará as pessoas sobre aquilo, notícias sangrando se igualando da mesma forma como ocorreram as violência narradas, com certeza pessoas irão se identificar com aquela mancha de sangue seja como vítima ou causador e outras abrirão os olhos para os problemas em nossa volta e a que ponto chegamos nessa história.




2 comentários:

donda albuquerque disse...

o melhor foi sair correndo de lá. O Guga me disse que passou lá umas 16:30 e ainda estava lá e as pessoas que passavam ficavam olhando por um tempo.

Adoro isso!

Anônimo disse...

Que ótimo gostaria de ter visto!