27 julho 2008

Resposta

1. O que é ser Chapeleiro?
Ser um Chapeleiro é ter a liberdade de poder criar sem pudor, poder surtar sem medo de internamento e poder realizar projetos com muitas alegria, confiança e apoio dos meus amigos Chapeleiros. Tenho um grande orgulho de ser do Chapéu.

2. O que você busca com Teatro?
Busco conhecimento, meio de vida, trabalho, dúvidas, questionamentos, instigações, realizações e o posicionamento caótico diante da sociedade.

3. Que momento pra você foi mais marcante no grupo?
Tiveram alguns: a saída da Silvia do grupo; nossa ida para o Festival Nordestino de Teatro em Guarabira; a dispersão; a carroça; o processo de criação de Alice?! Foi algo muito especial; a saída de Isaac.

4. Você tira o Chapéu pra...
Para os grupo de Alagoas, que apesar de não terem tanto apoio quanto precisam, não deixam de realizar seus espetáculos.

5. Você não tira o Chapéu pra...
Para a políticagem do nosso Estado que não percebe a importância da criação de uma lei de incentivo a cultura na esfera estadual, e não desenvolve políticas públicas que tragam condições de trabalho para artístas e grupos do Estado.

26 julho 2008

Entre e vista o Chapéu...



Proponho uma entrevista coletiva para iniciar... Fiquem a vontade de responder:
  1. O que é ser Chapeleiro?
  2. O que você busca com Teatro?
  3. Que momento pra você foi mais marcante no grupo?
  4. Você tira o Chapéu pra...
  5. Você não tira o Chapéu pra...

25 julho 2008

Atualmente




O grupo, hoje composto por 9 integrantes, sendo eles (em ordem afabética) :
Fabrício Barros; Donda Albuquerque; Laís Lira; Magnun Angelo; Marileide Carfer; Natalhinha Marinho; Pablo Young; Tácia Albuquerque e Thiago Sampaio.

Nasceu a partir da idéia de alguns dos seus integrantes (até então alunos dos Cursos de Artes Cênicas da Universidade Federal de Alagoas - UFAL ) de exercitar, trocar, dividir e adquirir conhecimentos acerca de teatro, dança, performance, artes circenses entre outras formas de se fazer arte.

Intervir sempre.

em arte

“Arte é uma forma de me expressar para o mundo, um jeito de levar a vida e de dialogar com o mundo”
... Ainda penso dessa forma.



Engraçado é que quando eu era criança, por volta dos meus 5, 6 anos eu queria muito ser desenhista, ter a liberdade e possibilidade de imaginar, conceber e encarar o mundo das formas mais variadas e fantásticas, também encontrei isso no teatro, na dança, na performance e principalmente nas intervenções.
Com as intervenções obtive claro entendimento de que é muito difícil controlar o que sentimos, mas ao mesmo tempo ter a consciência de estar proporcionando a quem presencia uma intervenção, um momento único de reflexão, questionamento e apreciação.
Hoje eu vejo que quando criança eu já pensava de uma forma conduzida pela arte, ou ao menos, de almejando isso, esse mundo. E ao mesmo tempo, percebo minha responsabilidade quanto artista, tenho que ser honesto, generoso e audacioso.

Atuar...


"Arte é uma forma de expressar o mundo"... Muitas vezes este é o meu discurso, mas até que ponto é uma verdade? É delicado, complexo este pensar, mas mesmo assim, quero ser pelo menos, pensante.

O que o teatro me faz e o que faço com ele?

Antes do fazer: desde pequena, ser artista me encantava...Queria também ser aquela aplaudida, admirada, perfeita, inatingível... ser a bela que cantava, dançava e sorria do mundo!

Acho que este encantamento ainda hoje me acompanha, mas sem tantas ilusões, porém ainda permanece o sonho de estar no centro do picadeiro entre perigos e aplausos , entre choros e risos.


Aos poucos a curiosidade e a vontade de brincar com meu corpo e com histórias me fazem ficar no pé das "tias" e ser figurinha marcada nas "festinhas" e "pecinhas"... A arte era um prazer, uma descoberta, um brincar...


Este é o sentimento que quero sentir sempre...


Adiante, realizava vários discursos para mim mesma... quantas aventuras vivi e sonhei solitariamente...


A curiosidade me levou a fazer teatro , a ver teatro, a ser teatro... jamais esquecerei o primeiro dia de aula com a Prof. Nara, ela fonte e nós sedentos... naquele momento entendi que o objetivo não era só saciar a sede, mas aprender a sentir o gosto... muito tinha/tenho a conhecer e aprender...

Aos poucos, fiz do palco minha vida e da vida um palco, ora protagonista, coadjuvante, autora, criadora, interventora, atriz, interatriz, INTEIRATRIZ...

Escolher, optar, renunciar, ter medo, assumir... um misto de sensações vividas constantemente...

Hoje amigos são
irmãos e partilhamos sonhos e desejos. Depois de anos, cursos, oficinas, espetáculos, aplausos e vaias atuar é...

Atuar é o desafio de manter o mesmo encantamento da infância, o mesmo brincar prazeroso e se equilibrar entre teorias, fundamentos e práticas... se equilibrar entre corpo e sentires, voz e entendimento, disciplina e brincadeira, verdade e mentira, vaidade e essência, expressar e calar, falar e agir...

01 julho 2008

Oração criada em momento de grade surto coletivo



Teatro Nosso


Ator nosso que estais nos palcos

Santificado seja vosso texto

Venha a nós vossa personagem


Seja feita feita vossa marca


Assim no palco como na rua

O cachê nosso de cada dia nos daí hoje

Perdoai nossos cacos

Assim como nós perdoamos a quem nos tenham vaiado

Não nos deixai cair em enroladas

Livrai-nos dos mal pagadores

Teatrém